Núcleo de Estudos e Artes do Vale do Âncora
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012
A VESPA VELUTINA EM PORTUGAL

A espécie Vespa velutina nigrithorax, também conhecida por "vespa asiática", originária do sudoeste da Ásia foi introduzida na Europa, através do porto de Bordéus (França) no ano de 2004. De então para cá, a Vespa velutina já conquistou 1/3 do território francês e colonizou parte do norte de Espanha, em 2010. Em 2011, no concelho de Viana do Castelo, na região do Alto Minho, a presença da V. velutina foi confirmada, sendo esta área indicada como centro de dispersão da V. velutina em território português. No ano de 2012 já foram detetados alguns ninhos em algumas freguesias do concelho de Viana do Castelo. Esta vespa tem um impacto negativo na apicultura e na biodiversidade. Neste momento é impossível erradicar esta espécie exótica de Portugal, mas desacelerar a sua progressão e diminuir o seu impacto, é uma tarefa possível através da destruição de ninhos e colocação de armadilhas.

 

Ciclo biológico

 

A partir do mês de Janeiro/Fevereiro a rainha fundadora começa a construir um ninho primário. Este ninho é cerca do tamanho de 2 "bolas de ténis" e contêm a rainha e dezenas de vespas obreiras. Durante a Primavera o ninho começa a crescer em número de obreiras, sendo o ninho primário abandonando e construído um ninho secundário. Este ninho secundário é definitivo e bastante maior que o anterior. Devido ao crescimento exponencial da comunidade de vespas, a maior parte dos ataques aos nossos apiários é realizado no inicio do Verão até ao fim do Outono. Este período pode ser mais alongado caso haja temperaturas amenas durante o Outono. Ainda no princípio do Outono dá-se a fecundação das futuras rainhas (rainhas fundadoras) e, quando as temperaturas começam a decrescer (Outubro / Novembro), estas rainhas iniciam a sua hibernação no solo. Nesta altura do ano, todas as obreiras morreram e o ninho secundário está vazio.

 

A Vespa velutina em Portugal

 

O ninho primário

 

Existem 2 tipos de ninhos: o primário (de primavera) e o secundário (de inverno). O ninho primário é construído durante a época primaveril (Fevereiro a Abril). É constituído pela vespa fundadora e algumas obreiras. Situa-se num raio de ±500 metros do ninho de inverno. É um ninho que costuma ser construído em arbustos, no solo e no interior de caves.

 

O ninho secundário

 

O ninho secundário é o ninho definitivo. Na maior parte das vezes é construído nas copas das árvores a mais de 10 metros de altura. O ninho também pode ser construído em algumas árvores de fruto. Este ninho alberga cerca de 2000 vespas e 1 rainha. O ninho não deve ser destruído com armas de fogo. Esta atitude faz com que as vespas fundadoras se espalhem pela zona para produzirem mais ninhos. Devem ser colocadas armadilhas num raio máximo de 1 km destes ninhos para capturar as fundadoras que saem em Novembro e Dezembro.

 

Conforme informação da Associação Apícola Entre Minho e Lima vimos pelo presente divulgar a seguinte informação relativa à existência de uma espécie de vespa exótica no nosso país.

 

A entrada desta vespa é feita por Viana do Castelo, tendo já sido detetados ninhos em Ponte de Lima e provavelmente em concelho de Amares. Também é de esperar a sua identificação em Esposende, visto que já foi detetado um ninho em Castelo do Neiva, a 1 km do rio Neiva..

 

De referir que o impacto negativo desta espécie na apicultura e biodiversidade é elevado.

 

Armadilhas

 

A colocação de armadilhas têm 2 objetivos:

 

1) Captar as vespas fundadoras. Estas armadilhas devem ser colocadas no terreno nos meses de novembro a dezembro com o intuito de apanhar as fundadoras que saem do ninhos secundários. Outra época de colocação é nos meses de fevereiro a abril quando as fundadoras saem de hibernação e procuram locais para os futuros ninhos.

 

2) Diminuir a predação das vespas nos apiários. Estas armadilhas devem ser colocadas nos apiários nos meses de julho a novembro. As armadilhas devem ser colocadas a ± 1 metro de altura em redor do apiário (raio de 5 metros no máximo).

 

O isco pode ser de várias maneiras (cerveja, vinho branco, sardinhas, peixe podre). A colocação de cerveja impede a entrada de abelhas nas armadilhas. Deve ser colocada uma proteção na boca da armadilha para evitar a entrada de água das chuvas.

 

AVISO: O envio de fotografias, de avisos de localização de ninhos, a captação de vespas em apiários, entre outras informações úteis para a monitorização da vespa em Portugal pode ser enviada para os seguintes mails ou telemóveis: Correio electrónico: apimil@sapo.pt Miguel Maia (Técnico): 962 889 512 / 9171 72 854 Alberto Dias (Presidente): 963 150 782 Nuno Amaro (Direção): 961 138 893



publicado por nuceartes às 14:22
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Ainda sobre a Bandeira Az...

Movimentação de areias na...

Visita da Direcção do NUC...

Melro d'Água em edição di...

Qualidade da areia no “Mo...

Borrelho de Coleira Inter...

Nota de Imprensa

Proposta de valorização d...

A Masseira navega nos mar...

SOS Litoral Norte

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
Visitas
Free Counters
Free Counters
blogs SAPO
subscrever feeds