Núcleo de Estudos e Artes do Vale do Âncora
Quarta-feira, 29 de Julho de 2015
SOS Litoral Norte

Enquanto ia tomando conhecimento da obra da ciclovia “ Moledo-Sto. Isidoro”, tive oportunidade de passar pela antiga estrada Real que segundo referem, trata-se de um dos antigos caminhos de Santiago, por onde passavam os peregrinos que para lá se dirigiam.

Com a utilização das vias existentes por onde passava, fui-me apercebendo de uma série de disparates que se estão a fazer no litoral de Moledo.

desmatar_1_0.jpg 

 Após o início da construção da ciclovia, tudo parece ter-se animado nas suas imediações!…

- A ciclovia, que referem ser uma via ecológica, representa aquilo que nada tem de verdadeiro.

 Não consigo perceber como é que podem denominar de ecológica quando destrói parte da rede Natura em que estão inseridos diversos habitats; além disso, referirem que é uma homenagem ao sargaceiro, é confundir as coisas, é desconhecerem a história de um actor com séculos de existência que sempre protegeu e modelou a natureza e que ainda hoje nos documenta a imagem de uma agricultura biológica.

Compreendo qual o objectivo dos destruidores de ecossistemas, mas não aceito que se sirvam de uma actividade que embora já exista há muitas centenas de anos, nunca destrui o seu mundo, antes pelo contrário tenha servido para manter uma flora autóctene que é adubada por essas algas quando lá são depositadas temporariamente.

Esta classe não merece qualquer conotação com obras que destroem a rede Natura.

Sendo uma falta de respeito referirem que “é uma homenagem ao sargaceiro” pessoas que sempre trabalharam para bem da natureza.

Como dizia um responsável do ICN, há uns anos atrás, como estávamos perante uma área integrada na rede Natura e na REN, referia que o limite de construção era a partir de uma construção circular que existe no topo Sul de Moledo.

4_constr_0.jpg

No entanto esse limite, já foi ultrapassado há uns anos; além de construções em locais da zona marítima (sabe-se lá como é que conseguiram esses deferimentos) a situação continua, pois no topo Norte da rua da Estrada Real já existe uma quantidade considerável de brita, tudo leva a crer ser para a pavimentar a parte da rua frontal a uma nova construção que lá estão a construir.

De acordo com os dados visíveis a rua da estrada real, sendo um arruamento de acesso a propriedades rurais vê o seu pavimento a ser renovado, possivelmente para transformar áreas da REN em zona de construção.

Para proteger a corda litoral, é necessário compreender o ambiente natural em que esta se integra e as suas tendências evolutivas.

3_caminho.jpg

A consequência da degradação realizada em toda a cobertura vegetal,  vai originar a destruição do património genético natural, herdado. Agora começa a ficar ameaçado pela situação de rotura originada pela alteração dos diversos habitats continuando a provocar a redução ou mesmo destruição de locais onde existiam espécies endémicas.

Além do já referido, aparecem portões a delimitar a entrada das propriedades bem como a desmatação de áreas que podem vir a dar origem a possíveis estradões perpendiculares à ciclovia, etc.

2_portao_0.jpg

Sabendo que a zona litoral constitui um recurso insubstituível finito e não renovável á escala humana, tem de ser encarado na globalidade e entendê-lo como zona dinâmica complexa e interdependente.

Seria bom que os responsáveis por esta faixa costeira se sensibilizem a fim de reduzir as acções degradativas de que está  a ser alvo e as diversas que se estão a cozinhar nos bastidores dos diversos sectores responsáveis desta  área.

A melhor politica ambiental é definida pelas condições que permitam evitar as perturbações do ambiente, em vez de se limitar a combater posteriormente os seus efeitos, como está acontecer em toda a corda litoral norte, Fão, Ofir, Marinhas, S. Bartolomeu, Castelo do Neiva, Amorosa etc..

Nenhuma razão de natureza económica pode servir de justificação  a soluções  técnicas que contrariem aqueles princípios.

A responsabilidade pelo estado de degradação que a nossa costa atingiu não é, em geral, directamente imputável a qualquer organismo governamental singular. Há uma diluição de responsabilidade de tutelas, de conflitos e objectivos e de poderes de interesses políticos e económicos, por vezes de vácuos legislativos e de indefinições no plano executivo.

Consideramos  que o desenvolvimento destas áreas de recreio só deve ir até onde os recursos permitam, traduzindo-se - na nossa perspectiva futura - na continuação e no bem estar para as gerações vindouras. Há pois que abandonar a loucura de superioridade do ser racional que é o homem perante o seu sistema de suporte - o meio natural - e abraçar uma relação de bem estar mútuo.

 

Joaquim Vasconcelos



publicado por nuceartes às 19:03
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Ainda sobre a Bandeira Az...

Movimentação de areias na...

Visita da Direcção do NUC...

Melro d'Água em edição di...

Qualidade da areia no “Mo...

Borrelho de Coleira Inter...

Nota de Imprensa

Proposta de valorização d...

A Masseira navega nos mar...

SOS Litoral Norte

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
Visitas
Free Counters
Free Counters
blogs SAPO
subscrever feeds