Núcleo de Estudos e Artes do Vale do Âncora
Segunda-feira, 7 de Abril de 2008
Óleo das batatas fritas faz mover carros em Belmonte
Uma experiencia bem sucedida com o bio diesel
 O óleo usado na confecção dos bolos expostos na vitrina da pastelaria é vertido da fritadeira para o funil amarelo, e daí para o bidon azul. As duas funcionárias do estabelecimento que pertence à Santa Casa da Misericórdia de Belmonte fazem esta operação delicada enquanto, lá fora, o senhor Sérgio abre as portas traseiras da carrinha, já cheia de bidons com óleo alimentar. "Eu consumo biodiesel", lê-se na carroçaria. A frase ilustra esta operação. O mesmo óleo usado na pastelaria irá servir de combustível a esta viatura, mas também a máquinas industriais e a caldeiras dos lares e creches da Santa Casa.
 
"No início, as pessoas desconfiavam e perguntavam se não levávamos dinheiro por recolher o óleo. Agora já se habituaram", conta o senhor Sérgio, que todos os dias percorre 200 a 300 quilómetros para deixar o bidon vazio em troca de outro cheio. Restaurantes, cantinas ou hotéis são visitados de 15 em 15 dias pela carrinha da Ecoldiesel, a empresa da Misericórdia que produz biodiesel através do óleo alimentar recolhido nestes estabelecimentos.
 
Após a troca de recipientes, resta ao senhor Sérgio preencher a guia de acompanhamento de resíduos exigida pelo Ministério do Ambiente e deixar no restaurante o comprovativo de que o óleo foi entregue a uma empresa licenciada para lhe dar um destino adequado, tarefa a que estão obrigados todos os produtores deste resíduo perigoso. Depois há que seguir viagem para outra freguesia, fazendo cumprir uma rotina que se foi instalando e alargando ao longo dos últimos dois anos.
 
O sistema de produção de biodiesel é caseiro, construído de raiz, e faz-se numa espécie de garagem da Santa Casa de Belmonte, enquanto a instalação industrial, já em construção, não fica completa. No início, não foi fácil sensibilizar as pessoas para colaborarem nesta tarefa, apesar das cartas enviadas a expor o assunto e da mobilização porta a porta, confessa João Gaspar, mentor do projecto e provedor da Misericórdia. "Continua a ser mais cómodo deitar o óleo na pia do que guardá-lo num recipiente para depois ser recolhido", afirma, alertando para os danos ambientais causados pela presença do óleo nos colectores municipais: contaminação das águas, solos e o entupimento dos colectores.
 
Actualmente, a Ecoldiesel recolhe no distrito de Castelo Branco mas também no nordeste transmontano, em Lisboa, Leiria, Algarve e Évora, num total de mil estabelecimentos, entre escolas, instituições de solidariedade, restaurantes e refeitórios. A quantidade chega para produzir dois a três mil litros de biodiesel por dia. Mas a produção irá crescer rapidamente quando estiver no terreno o projecto que abrange os 13 concelhos vizinhos e a região de Salamanca (ver texto ao lado).
 
Quando chegam ao centro de produção, os bidons de óleo são descarregados e sujeitos à verificação de acidez, pois nem todos têm a mesma pureza e utilização e pretende-se fazer um biodiesel homogéneo. São aquecidos nuns reactores iniciais para lhes ser retirada a humidade, seguindo depois para outro onde são submetidos a 55 graus. Depois de injectada soda cáustica e metanol, ao fim de uma hora, retira-se a glicerina e lava-se o biodiesel.
 
O biodiesel produzido é consumido internamente nas caldeiras de aquecimento, nas viaturas de recolha de óleo ou é vendido a empresas industriais para a utilização em máquinas. Além de aproveitar um resíduo perigoso, o biodiesel emite menos poluição. Alguns utilizam-no em estado puro, outros juntam-lhe 20% de diesel. No Mercedes de João Gaspar, garante, só entra 100% puro.|


publicado por nuceartes às 16:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Ainda sobre a Bandeira Az...

Movimentação de areias na...

Visita da Direcção do NUC...

Melro d'Água em edição di...

Qualidade da areia no “Mo...

Borrelho de Coleira Inter...

Nota de Imprensa

Proposta de valorização d...

A Masseira navega nos mar...

SOS Litoral Norte

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
Visitas
Free Counters
Free Counters
blogs SAPO
subscrever feeds