Núcleo de Estudos e Artes do Vale do Âncora
Sexta-feira, 18 de Abril de 2008
BANDEIRA AZUL NA PRAIA DE VILA PRAIA DE ÂNCORA
Vila Praia de Âncora é um pólo de atracção turístico, muito procurado, principalmente no Verão, por milhares de pessoas que se deslocam até à corda litoral para gozarem as delícias de umas férias.
 
A sua praia é possuidora do galardão de "praia acessível" porque se trata de uma zona balnear, adaptada a pessoas com mobilidade condicionada. Este ano também lhe vai ser atribuída a bandeira azul, situação que muito agrada a toda a população local e a quem procura esta aprazível estancia balnear.
 
Depois da eliminação dos focos de poluição locais torna-se necessário procurar eliminar os existentes nas margens do rio Âncora, para que a bandeira azul se mantenha durante muitos anos, em Vila Praia de Âncora, como garantia de praia de qualidade. Mas para isso o poder local e nacional, tem de eliminar os focos de poluição que estão a surgir nas margens do rio Âncora. Embora se tratem de casos pontuais, podem destruir todo o trabalho que tem sido feito para erradicação dessa mesma poluição.
 

Por isso lamenta-se que as suas margens naturais, onde se devia fomentar o desenvolvimento das formações de vegetação rípicola, "nasçam" construções. Embora os deferimentos sejam cheios de condicionalismos, existe legislação que não é respeitada ou então fazem falsas declarações, para que o projecte seja autorizado.
 
Outros nem sequer apresentam qualquer pedido de autorização, porque consideram desnecessário andar a preocuparem-se com a fiscalização.
 
É a especulação nas margens do rio Âncora, que nem por estarem integradas na rede NATURA, lhe conseguem proteger as suas margens.
 
No entanto, seria conveniente que os responsáveis por esses deferimentos tivessem em atenção o que é dito em vários diplomas, que condicionam a ocupação das margens do rio Âncora, e impõem a sua protecção quando referem que nas zonas ribeirinhas, nos leitos dos cursos de água e zonas ameaçadas pelas cheias, " são proibidas as acções de iniciativa pública ou privada que se traduzam em operações de loteamento, obras de urbanização, construção de edifícios, obras hidráulicas, vias de comunicação, aterros, escavações e destruição do coberto vegeta. As margens naturais, devem-se preservar e fomentar o desenvolvimento das formações de vegetação ripícola".
 
Os responsáveis por esses deferimentos parecem desconhecer que as áreas onde estão integrados esses moinhos, são locais integrados em zona de cheias, e zonas da REN, onde se deve ter cuidados acrescidos para evitar que algum desastre humano venha acontecer.
 
Essas "mudanças de destino" tem originado uma série de novos focos de poluição pontuais, que individualmente pouco vão poluir, mas analisados conjuntamente vão garantir um peso significativo na poluição do rio Âncora.
 

E se formos analisar a localização das fossas sépticas dessas construções iremos perceber que a poluição é imediata, porque as fossas encontram-se em leitos de cheia, o que agrava ainda mais os problemas de poluição, porque ao fim de algum tempo, os poços absorventes ficam colmatados, originando o lançamento integral do saneamento nas águas do rio.
 
Mas a situação torna-se ainda mais gravosa, porque o caudal do rio que é reduzido, fica ainda mais reduzido pela utilização de dezenas de metros cúbicos, umas vezes para a rega, outras para encher piscinas que se encontram em leito de cheias e outras nas suas proximidades. Depois é o despejar daquelas com tratamentos apropriados, que vão sub carregar a poluição do rio. Com o caudal a diminuir e a poluição a aumentar o rio Âncora a qualquer momento poderá chegar à sua foz novamente poluído.
 
É altura de acabar com a poluição das águas do rio Âncora, pelo que bastará dar satisfação aos diplomas que existem "no mercado", para depois não andarem como os responsáveis mundiais, que chamavam fundamentalistas aos ambientalistas que os alertavam para o "descambar ambiental", e agora gastam-se fortunas para minimizar os efeitos colaterais, que se estão a fazer sentir, com o aquecimento global.
Joaquim Vasconcelos
De: http://www.caminha2000.com/


publicado por nuceartes às 11:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

ORDENAMENTO… COLIDE COM S...

Ainda sobre a Bandeira Az...

Movimentação de areias na...

Visita da Direcção do NUC...

Melro d'Água em edição di...

Qualidade da areia no “Mo...

Borrelho de Coleira Inter...

Nota de Imprensa

Proposta de valorização d...

A Masseira navega nos mar...

arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
Visitas
Free Counters
Free Counters
blogs SAPO
subscrever feeds