Núcleo de Estudos e Artes do Vale do Âncora
Domingo, 12 de Junho de 2011
A industria dos incêndios

Ainda não estamos no Verão e os incêndios já começaram.

Este flagelo Nacional, afecta a economia o ambiente, e consequentemente o futuro do planeta. As razões deste problema prendem-se essencialmente aos grandes interesses económicos.

Embora apontem sempre como responsáveis, o elo mais fraco ( os proprietários), pela falta de limpeza, dos montes, esquecem-se que o maior é o próprio Estado.

 

Mas, de facto tudo começou logo após a revolução, quando os responsáveis apontaram como um factor prioritário a eliminação dos guardas florestais; alteraram-lhe o nome e sentaram-nos numa secretária, esquecendo-se que os conhecimentos dos locais onde faziam o seu trabalho lhes permitia apoiarem um planeamento e fiscalização que reduzia o número de incêndios e minimizava os seus efeitos.

Depois, criaram umas associações florestais que recebem verbas de fundos comunitários, quer para reflorestar, ordenar, limpar etc., no entanto, aqui os fogos também continuaram, muitas vezes sem se perceber como(!). O único caso de sucesso que conheço, localiza-se no Vale do Âncora, da freguesia de Riba de Âncora que tem conseguido evitar que os fogos atinjam a área que cuidam, tendo dado origem a uma das grandes "manchas arbóreas do norte do País".

 

Mas, como alguém achou que essa força policial era um empecilho para a economia Nacional, esqueceram-se de colocar na mesa os factores positivos da sua existência, e não descansaram enquanto, não a eliminaram.. Assim começou a preparação do terreno para a indústria dos incêndios. Esta situação levou ao abandono das casas florestais. Este património foi aproveitado no parque Natural do Gerês, para turismo de montanha.

Este património representativo de uma época, em vez de ser abandonado, devia ser aproveitado e integrado num Turismo de montanha, podendo amortizar certos encargos para criação de equipas de sapadores, para apoio e limpeza das áreas florestais.

 

Pouco tempo após a eliminação dessa força policial os incêndios, passaram a ser um factor indissociável do Verão, e todos os anos as áreas ardidas iam aumentando, a não ser que aqueles fossem bastante húmidos.

A primeira fase da "indústria dos incêndios (deflagração), estava concluída, e tinha por trás interesses diversificados como:

- tornar áreas da REN em áreas de construção

- criar áreas de pastos verdes para o gado.

- criar áreas de caça, mais abertas.

- conseguir aquisição de madeira, para venda às celuloses, por preços simbólicos.

 

Como, 99% dos incêndios, têm mão criminosa, conclui-se que foram criadas as condições essenciais para que a industria dos incêndios se continue a desenvolver devido à falta de:

- fiscalização e acompanhamento que era dado todo o ano pelos guardas florestais.

 

Foi criado um vazio que abriu portas para:

- os interesses particulares que circulam à volta da madeira queimada.

- a evolução da industria de combate a incêndios por meios aéreos

 

Avaliada a situação de deflagração lembramos que um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura, situação que não podemos controlar, e do tipo do coberto vegetal, pelo que na fase de propagação, tinha de se pensar no ordenamento.

 

Nesta fase, para que a "industria dos incêndios" fosse um êxito, havia necessidade de se criar também condições apropriadas, para uma propagação rápida do fogo. Os responsáveis não tiveram escrúpulos em permitir uma florestação sem ordenamento, permitindo a monocultura de resinosas, quer o eucalipto, quer o próprio pinheiro bravo. Lembramos que na década de noventa, do séc. passado, chegaram a haver cargas policiais, contra elementos de O.N.G. e camponeses, que contestavam a expansão dessa monocultura. Claro, que perante tal atitude, a situação continua agravar-se.

Analisando a situação, parece-me que a função dum guarda-florestal no terreno, era fundamental para atemorizar possíveis incendiários, garantir a vigilância da área que lhe correspondia. Cuidar desse espaço, tornava esta força policial eficiente no combate à deflagração dos incêndios e possivelmente aconselhava a florestação com folhosas. Mas claro que isso não tinha interesse para a indústria de incêndios.

 

Tendo em consideração quer o ano em si, quer o referido atrás, começam a reunir-se as condições ideais para proporcionar mais um ano de grandes incêndios,

Com a contínua falta de ordenamento florestal, a evidência salta aos olhos: o país vai arder porque alguém quer que ele arda. Ou melhor, porque muita gente quer que ele arda. Há uma verdadeira indústria dos incêndios em Portugal, havendo muita gente a beneficiar, directa ou indirectamente.

Conclui-se que de facto nada acontece por acaso, pois :

1 - O combate aéreo aos incêndios em Portugal é TOTALMENTE concessionado a empresas privadas, ao contrário do que acontece noutros países europeus da orla mediterrânica.

2 - Embora existam testemunhos populares sobre o início de incêndios em várias frentes imediatamente após a passagem de aeronaves continuam sem investigação após tantos anos de ocorrência?

3 - Para a venda de equipamento contra incêndios. Etc, etc…

 

Se os responsáveis actuais, não mudarem a sua atitude, a democracia não passará de mais uma filosofia política, que serviu para "engordar os espertos, numa economia de mercado", e tornar Portugal (antigamente respeitado enquanto ditadura), num protectorado europeu depois da implantação da democracia.

 

Joaquim Vasconcelos in "caminha2000"



publicado por nuceartes às 11:52
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

ORDENAMENTO… COLIDE COM S...

Ainda sobre a Bandeira Az...

Movimentação de areias na...

Visita da Direcção do NUC...

Melro d'Água em edição di...

Qualidade da areia no “Mo...

Borrelho de Coleira Inter...

Nota de Imprensa

Proposta de valorização d...

A Masseira navega nos mar...

arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Junho 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
Visitas
Free Counters
Free Counters
blogs SAPO
subscrever feeds